Vacina Covid-19: “Cometemos um grande erro, injetamos veneno nas pessoas”

Imunologista Alerta: "Cometemos um grande erro, injetamos veneno nas pessoas". Difícil acreditar que possam haver ingênuos neste meio, a Grande Indústria Farmacêutica, mas, eventualmente somos surpreendidos com boas pessoas, como este professor e especialista, que súbito despertam para uma realidade que já vem sendo alertada por muitos outros especialistas mais atentos, há muito tempo.

Teria sido tempo suficiente para que não fossem condenados á morte mais de 1 bilhão de pessoas.

Mas, é ainda mais inadmissível, que Governos pelo mundo todo, incluindo o do Brasil, ainda pretendam vacinar toda sua população com estes venenos em forma de “imunizantes injetáveis”, vulgarmente chamados de vacinas.


Também não será surpresa se um pouco mais á frente, viermos a “descobrir” ou ficar sabendo que as proteínas ditas de Pico, ou Spike, são as mesmas que estão magnetizadas, e que em conjunto com os bio polímeros com bases metálicas, que estão sendo inoculados, tornarão o corpo humano em um tipo de receptor-emissor para equipamentos conectados as redes de internet, wifi, bluetooh, sensores de bancos, de aeroportos e de áreas públicas.

Quem não percebeu ainda que perceba, que este é um modelo de Correntes para Escravos Digitais, os que eventualmente não forem vacinados serão detectados por estes sistemas, e talvez sejam presos ou inoculados contra sua pŕopria vontade. Sim ! Isto possibilita a


Escravidão do Seculo 21 !

Sim, exatamente como a Escravidão dos negros nos séculos passados, mas agora democráticamente distribuída.

Percebam ! Choquem-se !


Além de tudo, paira sobre a Fraude as evidências conclusivas de que o vírus sars-cov-2 nunca foi encontrado, mesmo entre os que foram considerados “infectados”.

O Covid NUNCA FOI ENCONTRADO !

Leia a Série de artigos Decodificando a Criptografia da Fraude, se quiser conhecer de fato a gênese desta Fraude e o modus operandi destes criminosos.

Devemos Destruir e Aniquilar estes Politicos e toda esta Classe de Filhos da Puta que querem nos matar ou nos fazer de Escravos Digitais.

Leia e reflitam :

O número de cientistas estabelecidos (top) que alertam, com base em pesquisas e evidências, que as vacinas Covid-19 têm consequências terríveis está crescendo a cada dia.

Professor, pesquisador de câncer e especialista em vacinas alerta ao enviar mensagem ‘assustadora’ para pessoas vacinadas – Estudo revisado por pares já provou que a vacina mRNA não permanece no músculo do ombro, mas pode se espalhar pelo corpo, ‘e isso é muito preocupante’ – cientista do MIT admite: ‘Implicações são horríveis’

__________________________________________________________________________________

O imunologista viral, pesquisador de câncer e especialista em vacinas Professor Byram Bridle expressou choque quando viu os resultados de um estudo abrangente do que as vacinas Covid-19 fazem no corpo das pessoas.

Só agora percebemos que cometemos um grande erro. Pensamos que a proteína Spike (que é produzida pelas vacinas no corpo) era um belo antígeno. Nunca soubemos que a proteína Spike em si, é uma substância tóxica e uma proteína patogênica (causadora de doenças).


Então, vacinando as pessoas, estamos inconscientemente injetando-as com uma substância tóxica.’


Mas professor Bridle, isso é exatamente o que muitos outros cientistas célebres, incluindo os laureados com o Nobel, vêm alertando há meses. Que essas vacinas de codificação de proteínas mRNA / spike são um perigo potencialmente grave para a saúde humana era, portanto, conhecido desde o início.

Bridle é professor sênior na Universidade de Guelph em Ontário, Canadá, e recebeu uma bolsa de US$ 230.000 do governo no ano passado para pesquisas sobre o desenvolvimento de vacinas Covid. Ele fez suas observações na última quinta-feira em uma entrevista de rádio com Alex Pierson.

Mensagem assustadora:

“Evidências de que as vacinas de mRNA estão se espalhando pelo corpo”

O professor avisou os ouvintes que ele tinha “uma mensagem assustadora” para eles. Ele e um grupo de cientistas internacionais apresentaram um pedido às autoridades japonesas para acesso a um novo estudo de biodistribução revisado por pares. Foi mostrado que a proteína Spike da vacina Covid realmente entra na corrente sanguínea e se espalha por todo o corpo. Esta é uma explicação plausível para as muitas (dez)milhares de pessoas que contrairam coágulos sanguíneos, doenças cardíacas, problemas com fertilidade ou reprodução, danos cerebrais ou outra doença grave.

É a primeira vez que os cientistas conseguem ver para onde essas vacinas de mRNA vão após a injeção”, disse Bridle.

“É uma suposição segura dizer que ele permanece no músculo do ombro? A resposta curta é: absolutamente não. É muito perturbador.

Os produtores de vacinas e seus lacaios na grande mídia e política sempre sempre afirmaram que as vacinas de MRNA de Covid são “seguras”, e que a perigosa proteína Spike para a qual essas vacinas codificam o corpo humano permanece principalmente perto do local de vacinação, i.a. no músculo do ombro. Cientistas críticos que alertaram que este pode não ser o caso foram ignorados ou ridicularizados, mas estavam definitivamente certos.


‘A proteína do pico é quase inteiramente responsável por danos ao coração e aos vasos sanguíneos’


O estudo japonês mostra que a infame proteína Spike ainda entra no sangue, onde pode circular por todo o corpo por dias, e se acumular em vários órgãos (especialmente em fígado, rins, baço e ‘concentrações muito altas’ nos ovários). Sabemos há muito tempo que a proteína Spike é uma proteína patogênica. É um veneno. Pode causar danos em nosso corpo se entrar na circulação (do sangue)”, disse Bridle.

Os produtores de vacinas alegaram que escolheram a proteína Spike precisamente porque é a parte mais perigosa do (suposto) vírus SARS-CoV-2, e o corpo teoricamente produziria anticorpos contra ela. Mas “o que descobrimos na comunidade científica é que a própria proteína Spike é quase inteiramente responsável pelos danos ao sistema cardiovascular se entrar na circulação (do sangue)”, explicou Bridle.


Os pesquisadores de vacinas assumiram que as novas vacinas mRNA COVID se comportariam como vacinas “tradicionais” e a proteína do pico da vacina — responsável pela infecção e seus sintomas mais graves — permaneceria principalmente no local de vacinação no músculo do ombro. Em vez disso, os dados japoneses mostraram que a proteína de pico do coronavírus entra no sangue onde circula por vários dias após a vacinação e depois se acumula em órgãos e tecidos, incluindo o baço, medula óssea, fígado, glândulas suprarrenais, e em “concentrações bastante altas” nos ovários.

“Sabemos há muito tempo que a proteína do pico é uma proteína patogênica. É uma toxina. Pode causar danos em nosso corpo se entrar em circulação”, disse Bridle.

A proteína de pico SARS-CoV-2 é o que permite infectar células humanas. Os fabricantes de vacinas optaram por atingir a proteína única, fazendo com que as células da pessoa vacinada fabricassem a proteína que, em teoria, evocaria uma resposta imune à proteína, impedindo-a de infectar as células.

Animais de laboratório que foram injetados com uma proteína Spike pura em sua corrente sanguínea desenvolveram problemas cardiovasculares. Além disso, foi demonstrado que a proteína Spike também pode quebrar a barreira hemato/cerebral, e causar danos ao cérebro (veja também este artigo de 24-02: Estudo revisado por pares na Nature: Nanopartículas de vacinas podem causar danos cerebrais ).


“A vacina e a proteína acabam em circulação sanguínea”


De acordo com Bridle, foi, portanto, um erro grave assumir que a proteína Spike não acabaria no sangue. “Agora temos evidências bem definidas de que as vacinas que fazem com que as células em nossos músculos deltoides produzam essa proteína – que a vacina em si, mais a proteína, entra na circulação sanguínea.”‘

Pensamos que a proteína do pico era um grande alvo de antígeno, nunca soubemos que a proteína de pico em si era uma toxina e era uma proteína patogênica. Então, vacinando as pessoas, estamos inadvertidamente inoculando-as com uma toxina”, disse Bridle no programa, que não é facilmente encontrado em uma pesquisa no Google, mas viralizou na internet neste fim de semana.


Ele citou uma publicação recente de um estudo revisado por pares no qual a proteína Spike foi descoberta no plasma de sangue de 3 dos 13 jovens profissionais de saúde que haviam recebido a vacina Moderna. Em um desses indivíduos, a proteína Spike circulou por nada menos que 29 dias. Uma vez no sangue, a proteína se liga a receptores ace2 específicos das plaquetas e vasos sanguíneos. Então, duas coisas podem acontecer: “Ou surgem nódulos – exatamente o que vemos com as doenças sanguíneas associadas a essas vacinas – ou sangramento.”.


Também explicaria os problemas cardíacos entre os jovens que foram vacinados, disse ele.

O CDC admitiu recentemente que pesquisas estão sendo feitas sobre distúrbios cardíacos “leves” que ocorrem após uma vacinação de Covávido. Moderada?

Na semana passada, 18 adolescentes de Connecticut foram hospitalizados por problemas cardíacos após serem vacinados.

Cientista do MIT: ‘Implicações são horríveis’

Os resultados deste estudo da Pfizer vazado não são surpreendentes, “mas as implicações são horríveis”, disse Stephanie Seneff, cientista de pesquisa de cenários do prestigiado MIT. “Agora está claro” que o conteúdo das vacinas acaba no baço e nas glândulas, incluindo os ovários e as glândulas suprarrenais.

O reumatologista pediátrico J. Patrick Whelan alertou o comitê consultivo da FDA de que a proteína Spike nas vacinas covid causaria danos microvasculares, danificando o fígado, coração e cérebro. “Isso não foi examinado durante as fases de teste.”

Embora Whelan não se oponha a uma vacina corona, ele disse que “seria muitas vezes pior se centenas de milhões de pessoas sofressem danos a longo prazo ou mesmo permanentes em seus cérebros, coração ou outros órgãos… como resultado de.. as vacinas de proteína Spike.”

Principais consequências para doações de sangue, amamentação, reprodução



foto: site final da postagem

Bridle argumenta que os achados no estudo terão grandes implicações. Por exemplo, as doações de sangue de pessoas vacinadas devem ser interrompidas indefinidamente, caso contrário, elas podem infectar outras pessoas (veja também nosso artigo de 20-05: Cruz Vermelha no Japão e bélgica não quer doações de sangue para pessoas vacinadas contra Covid-19por enquanto), e evidências já foram fornecidas de que a proteína Spike é transmitida aos bebês via leite materno, o que causou hemorragias intestinais, doenças raras do sangue e mortes em um número de bebês.


A alta concentração encontrada nos ovários também é de grande preocupação para os cientistas. “Vamos tornar os jovens inférteis?”, pergunta Bridle em voz alta, apontando para as milhares de mulheres vacinadas que tiveram problemas menstruais, e muitas centenas de abortos relatados após a vacinação. Os homens também parecem ter distúrbios em seus órgãos reprodutivos.

Em 15 de maio, de acordo com as estatísticas oficiais nos EUA, já havia cerca de 4.000, e na UE mais de 11.500 mortes por vacinação– e um total de mais de 630.000 pessoas que ficaram doentes, feridas ou incapacitadas após serem injetadas com uma vacina Covid da Pfizer, Moderna, AstraZeneca ou Johnson &Johnson. Na Europa, cerca de 310.000 pessoas não se recuperaram desde a vacinação, em meados de maio. Isso inclui milhares de pessoas com doenças (imunes) muito graves, doenças cardiovasculares, distúrbios cerebrais e deficiências como cegueira e surdez.


A proteína de pico associada à vacina na circulação sanguínea poderia explicar uma miríade de eventos adversos relatados das vacinas COVID, incluindo as 4.000 mortes até o momento, e quase 15.000 hospitalizações, relatadas ao Sistema de Relatórios de Eventos Adversos de Vacinas (VAERS) do governo dos EUA a partir de 21 de maio de 2021. Por se trata de um sistema de notificação passiva, esses relatórios são provavelmente apenas a ponta de um iceberg de eventos adversos, uma vez que um estudo da Harvard Pilgrim Healthcare descobriu que menos de um por cento dos efeitos colaterais que os médicos devem relatar em pacientes após a vacinação são de fato relatados à VAERS.

Bridle disse que a descoberta de proteína de pico induzida por vacinas na circulação sanguínea teria implicações para programas de doação de sangue. “Não queremos a transferência dessas proteínas de pico patogênico para pacientes frágeis que estão sendo transfundidos com esse sangue”, disse ele.


O cientista da vacina também disse que as descobertas sugeriram que bebês de amamentação cujas mães tinham sido vacinadas estavam em risco de obter proteínas de pico COVID de seu leite materno.

Bridle disse que “quaisquer proteínas no sangue se concentrarão no leite materno”, e “encontramos evidências de bebês amamentando que sofrem de distúrbios hemorrágicos no trato gastrointestinal” em VAERS.

Embora Bridle não tenha citado, um relatório da VAERS descreve um bebê amamentado de cinco meses cuja mãe recebeu uma segunda dose da vacina da Pfizer em março. No dia seguinte, o bebê desenvolveu uma erupção cutânea e ficou “inconsolável”, recusou-se a amamentar e desenvolveu uma febre. O relatório diz que o bebê foi hospitalizado com um diagnóstico de Trombocitopenia Trombocitótica, uma rara desordem sanguínea na qual coágulos sanguíneos se formam em pequenos vasos sanguíneos em todo o corpo. O bebê morreu.

A nova pesquisa também tem “sérias implicações para as pessoas para as quais o SARS Coronavirus 2 não é um patógeno de alto risco, e isso inclui todas as nossas crianças”.


Efeito na fertilidade e gravidez?

A alta concentração de proteína de pico encontrada em testículos e ovários nos dados secretos da Pfizer divulgados pela agência japonesa também levanta questões. “Vamos tornar os jovens inférteis?” Bridle perguntou.

Houve milhares de relatos de distúrbios menstruais por mulheres que haviam tomado uma vacina COVID-19, e centenas de relatos de aborto em gestantes vacinadas, bem como de distúrbios de órgãos reprodutivos em homens.


Campanha de difamação viciosa

Em resposta a um pedido, Bridle enviou uma declaração ao LifeSiteNews na segunda-feira de manhã, afirmando que desde a entrevista de rádio ele havia recebido centenas de e-mails positivos. Ele acrescentou, também, que “uma campanha de difamação foi iniciada contra mim. Isso incluiu a criação de um site calunioso usando meu nome de domínio.”

“Esses são os tempos em que um servidor público acadêmico não pode mais responder às perguntas legítimas das pessoas com honestidade e baseada na ciência sem medo de ser assediado e intimidado”, escreveu Brindle. “No entanto, não é da minha natureza permitir que fatos científicos sejam escondidos do público.”

Ele anexou um breve relatório delineando as principais evidências científicas que sustentam o que ele disse na entrevista. Foi escrito com seus colegas na Canadian COVID Care Alliance (CCCA) — um grupo de médicos, cientistas e profissionais canadenses independentes cujo objetivo declarado é “fornecer informações de alta qualidade e baseadas em evidências sobre o COVID-19, com a intenção de reduzir as internações e salvar mais vidas”.

O foco da declaração foi o risco para crianças e adolescentes que são alvo das mais recentes estratégias de marketing de vacinas, inclusive no Canadá.

Até 28 de maio de 2021, houve 259.308 casos confirmados de infecções por SARS-CoV-2 em canadenses com 19 anos ou menos. Destes, 0,048% estavam hospitalizados, mas apenas 0,004% morreram, segundo o comunicado da CCCA. “A gripe sazonal está associada a doenças mais graves do que o COVID-19.


Dado o pequeno número de jovens pesquisadores nos testes de vacinas da Pfizer e a duração limitada dos ensaios clínicos, o CCCA disse que perguntas sobre a proteína do pico e outra proteína vacinal devem ser respondidas antes que crianças e adolescentes sejam vacinados, incluindo se a proteína do pico da vacina atravessa a barreira hematoencefálica, se a proteína do pico da vacina interfere na produção de sêmen ou na ovulação , e se a proteína do pico da vacina atravessa a placenta e impacta um bebê em desenvolvimento ou está no leite materno.


LifeSiteNews enviou à Agência de Saúde Pública do Canadá a declaração da CCCA e pediu uma resposta às preocupações de Bridle. A agência respondeu que estava trabalhando nas perguntas, mas não enviou respostas antes do horário de publicação.

Pfizer, Moderna e Johnson & Johnson não responderam às perguntas sobre as preocupações de Bridle. A Pfizer não respondeu a perguntas sobre quanto tempo a empresa estava ciente de seus dados de pesquisa que a agência japonesa havia divulgado, mostrando pico de proteína em órgãos e tecidos de indivíduos vacinados.


atvdopovo

#12anos

#aGenteSeEncontraAqui


em tempo:

Todas as informações aqui mencionadas, não refletem a opinião do jornalista, editor chefe, nem muito menos, deste portal, por não sermos da área da medicina, infectologia, mas, sim, por acharmos pertinentes as informações.


fonte:https://aspedrasdagavea.wordpress.com/2021/06/03/imunologista-alerta-chocado-cometemos-um-grande-erro-injetamos-veneno-nas-pessoas/

Lifestile

Xandernieuws

https://www.nhlbi.nih.gov/health-topics/thrombotic-thrombocytopenic-purpura

https://medalerts.org/vaersdb/findfield.php?IDNUMBER=1166062

https://omny.fm/shows/on-point-with-alex-pierson/new-peer-reviewed-study-on-covid-19-vaccines-sugge

https://www.nature.com/articles/s41565-018-0085-3

97 visualizações0 comentário