Especialistas: pedaços do meteoro que caiu em MG podem ser encontrados

O forte clarão de luz deixado pela passagem do fragmento de rocha espacial foi registrado em várias cidades do Brasil

Meteoro explode no céu das regiões do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba (foto: Ivan Soares / Bramon)

O meteoro que caiu em Minas Gerais e que pôde ser visto em várias cidades, incluindo no Distrito Federal, foi analisado pela Rede Brasileira de Monitoramento de Meteoros (Bramon) e de acordo com a instituição há um "um forte indício que a rocha pode ter gerado meteoritos, que são os fragmentos de rocha espacial que resiste à passagem atmosférica e atingem o solo". Segundo os pesquisadores, é possível que pedaços da rocha espacial que atravessaram a atmosfera da Terra sejam encontrados entre as cidades de Perdizes, em São Paulo, e Araxá, em Minas Gerais. No entanto, os cálculos que determinam o tamanho do objeto ainda estão sendo feitos pela Bramon. Os estudiosos chegaram à conclusão após analisarem a trajetória do bólido, ou seja, um meteoro muito luminoso, que foi visto no céu às 20:53 (horário de Brasília) dessa sexta (14/01). "Após a análise dos vídeos, a BRAMON concluiu que a rocha espacial atingiu a atmosfera da Terra em um ângulo de 38,6°, em relação ao solo, e começou a brilhar a 86,6 km de altitude sobre a zona rural de Uberlândia. Seguiu a 43,7 mil km/h, percorrendo 109,3 km em 9,0 segundos, e desapareceu a 18,3 km de altitude, entre os municípios de Perdizes e Araxá, MG. Alguns relatos vindos dessa região do Triângulo Mineiro, são de pessoas que informaram ter ouvido barulho de explosão e sentido paredes e janelas tremendo", explicou a Rede Brasileira em nota que pede ainda que aqueles que tem registros ou que observaram a passagem do meteoro, que mandem seus relatos através do formulário bramon.imo.net. Tags:

#atvdopovo

#12anos

#aGenteSeEncontraAqui


fonte:https://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2022/01/16/interna_gerais,1338057/especialistas-pedacos-do-meteoro-que-caiu-em-mg-podem-ser-encontrados.shtml

1 visualização0 comentário